Capital humano na tecnologia catarinense

São 24,1 mil empreendedores e 56,5 mil colaboradores no setor de tecnologia de Santa Catarina. Capazes de promover a geração de oportunidades em todas as regiões do estado, contribuem para o fortalecimento do ecossistema de tecnologia catarinense.

 

Foram cerca de 3,5 mil novos postos de trabalho criados em 2019, que ofertam, em média, remunerações 50,9% acima da média estadual, considerando todas as atividades econômicas.

Com os impactos da pandemia, mais de mil postos de trabalho do setor de tecnologia catarinense foram fechados em abril de 2020. No ano, o saldo dos quatro primeiros meses é de -49 colaboradores.
 

 
view.png

O PERFIL DE QUEM EMPREENDE

601,4 mil empreendedores acreditam no setor de tecnologia brasileiro. 

Os empreendedores brasileiros são predominantemente do sexo masculino: cerca de 73,9% do total de sócios registrados no Brasil. Desde 2015, essa participação está aumentando, enquanto a participação das mulheres no setor vem caindo. Em 2015, cerca de 29,5% dos empreendedores eram mulheres mas, em 2019,  a taxa caiu 3,4 p.p., passando para 26,1%.

Os empreendedores estão, em sua maioria, entre os 29 e 43 anos de idade. Na mesma faixa etária se encontram as mulheres empreendedoras, com média de idade de 46 anos. De 2015 para cá, a média de idade dos empreendedores do setor caiu, passando de 44 anos para 42 anos em 2019.

Empreendedores do setor de tecnologia por estado

Fonte: Neoway.

Os empreendedores do setor estão concentrados principalmente na região Sudeste. São Paulo detém 40,6% do total, com 244 mil empreendedores. Na região Sul, Paraná e Rio Grande do Sul somam cerca de 72 mil empreendedores, cada um com participação de 6,0%. Com participação de 4,0%, Santa Catarina possui 24,1 mil empreendedores atuando no setor.

Evolução dos empreendedores do setor de tecnologia (em mil)

O crescimento ao longo dos anos do número de empreendedores nas principais cidades do setor de tecnologia do Brasil confirma o diferencial de Santa Catarina. Em 2019, mais de 8 mil empreendedores passaram a atuar no setor, representando um crescimento de 52,4% em comparação com 2018.

Os 24.066 empreendedores do estado são predominantemente do gênero masculino (75,2%). A participaçã das mulheres no setor em Santa Catarina também aumentou em quantidade, mas está caindo percentualmente desde 2015. Já a participação dos homens atuando no setor aumentou 2,5 p.p. no período. A média de 41 anos de idade dos empreendedores do setor se manteve estável.

Participação por gênero no setor de tecnologia brasileiro (em %)

Participação por gênero no setor de tecnologia catarinense (em %)

Fonte: Neoway.

Entre as mesorregiões do estado, a Grande Florianópolis conta com mais de 7 mil empreendedores atuando no setor, totalizando uma participação de 32,1%.

Vale do Itajaí (26,4%) e Norte Catarinense (21%) somam cerca de 11 mil empreendedores. No Oeste  (10%) e Sul (8%) há cerca de 5 mil. Com menor participação, a região Serrana conta com 2,8% do total, com menos de mil empreendedores.

Nas cidades de refeência em tecnologia do estados, esses empreendedores atuam principalmente em Florianópolis, que detém 21% do total. Com menor representatividade, aparecem Joinville (14%) e Blumenau (11%).

Faixa etária e gênero dos empreendedores do setor de tecnologia

Fonte: Neoway.

TECH 

REPORT

PANORAMA

SETOR DE

TECNOLOGIA

CATARINENSE

2020 

view.png
 

 

COLABORADORES DA TECNOLOGIA CATARINENSE

Com 56,5 mil trabalhadores, Santa Catarina é o terceiro estado com maior quadro de colaboradores no setor de tecnologia do Brasil, atrás apenas de São Paulo e de Minas Gerais, estados mais populosos que o catarinense.

Em comparação com os maiores estados do setor de tecnologia, Santa Catarina apresentou o maior crescimento no  número de colaboradores no último ano. 


Por registrar maior crescimento de profissionais atuando na área, o estado catarinense ganhou mais representatividade no setor em 2018. 

 

Fonte: RAIS.

Colaboradores do setor de tecnologia por mil trabalhadores formais

Com o incremento de aproximadamente 5 mil trabalhadores no ano, o setor de tecnologia catarinense passou a contar com 8% do cenário nacional e registrou taxa de 25,1 colaboradores para cada mil trabalhadores formais, valor superior à média nacional (15,5).

Fonte: RAIS.

O PERFIL DE QUEM EMPREENDE

Entre 2017 e 2018, o número de colaboradores do setor em Santa Catarina cresceu 9,0%, alcançando a marca de 56,5 mil colaboradores. Comparado ao setor de tecnologia brasileiro, que cresceu 6,2%, o desempenho catarinense mostra a capacidade de geração de novas oportunidades de negócios no setor, ampliando cada vez mais a importância de Santa Catarina junto ao cenário tecnológico nacional.

Crescimento dos empregos do setor de tecnologia entre os dez maiores estados (em mil)

Fonte: RAIS.

Participação dos empregos de tecnologia entre as mesorregiões

No setor de tecnologia do estado, a Grande Florianópolis concentra quase metade dos colaboradores do setor (48,9%). Com valores próximos, aparecem em segundo e terceiro lugar as regiões Vale do Itajaí (19,1%) e Norte Catarinense (17,6%). Na sequência, surge a mesorregião Oeste (6,9%), o Sul do estado (6%) e a mesorregião Serrana (1,4%).

 

Nos último triênio, o número de empregos no setor cresceu 19,1%. Esse resultado se deve principalmente ao aumento de 66,7% observado na Grande Florianópolis, que somou cerca de 11 mil profissionais no setor, se mantendo com a maior participação em termos de empregos (48,9% em 2019).

Em comparação com 2018, o crescimento de 40,7% na região Serrana foi o mais expressivo do estado, seguido da região Oeste (26%) e do Sul (23,3%). A Grande Florianópolis (4,1%) e o Norte Catarinense (7%) registraram os menores aumentos no número de empregos no período.

Fonte: RAIS.

Cerca de dois terços dos empregos de tecnologia do estado estão concentrados nas quatro principais cidades do setor. Florianópolis (41,2%), Blumenau (11,3%), Joinville (11,2%) e São José (5,9%) somam quase 40 mil trabalhadores.

 

Também se destacam como expoentes do setor de tecnologia as cidades de Jaraguá do Sul, Criciúma, Chapecó, Itajaí, Rio do Sul, Lages e Tubarão.

Cerca de um quarto dos colaboradores do setor são categorizados como profissionais ou técnicos em informática e um quinto ocupa áreas de serviços administrativos. 

 

Em Santa Catarina, a média de idade do trabalhador do setor de tecnologia é de 33 anos. São profissionais que já possuem experiência de mercado e que, em sua maioria, são do sexo masculino (57,3%).

Quase metade deles (49,2%) possui ensino médio completo e 39,6% completaram o ensino superior. Os trabalhadores de tecnologia com mestrado e doutorado somam 1,4%.

Entre 2015 e 2018, o número de trabalhadores do setor com ensino superior cresceu 28,2%, somando mais de 22 mil profissionais. Já na passagem de 2017 para 2018, o crescimento foi de 5%. 

 

A participação desse nível de escolaridade em relação às demais também cresceu no período, passando de 32,2% para 39,6% em 2018.

Escolaridade dos trabalhadores do
setor de tecnologia catarinense 

Número de colaboradores com ensino superior e participação no total

Fonte: RAIS.

PERFIL DOS COLABORADORES DO SETOR DE TECNOLOGIA

Fonte: RAIS.

TECH 

REPORT

PANORAMA

SETOR DE

TECNOLOGIA

CATARINENSE

2020 

view.png
 

IN CORE: A ESPECIALIZAÇÃO DA TECNOLOGIA CATARINENSE

A transformação digital tem papel fundamental no desenvolvimento da economia, inclusive em nível local. Além de beneficiar e estimular a expansão da conectividade, ela ainda se torna uma facilitadora das empresas, movimentando negócios, gerando meios para redução de custos e maximização de receitas, contribuindo para o desenvolvimento de novos projetos e, principalmente, favorecendo processos produtivos que antes despendiam mais recursos.

Inseridos neste contexto, profissionais ligados à área de tecnologia estão se estabelecendo cada vez mais nas instituições e em todos os setores da economia, de modo que, com o passar do tempo, esses colaboradores podem alcançar níveis maiores de especialização.

Entenda a diferença entre In Core e In House

As ocupações ligadas às atividades de tecnologia foram classificadas de duas formas: as que atuam diretamente em empresas especializadas em tecnologia, denominadas In Core, e os profissionais que atuam em empresas que não têm como foco produtos ou serviços de tecnologia, chamados In House.

De acordo com a Softex, (Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro), o profissional de tecnologia compreende as seguintes atividades da CBO.

1.236 Diretores de serviços de informática

2.124 Analistas de sistemas computacionais

1.425 Gerentes de tecnologia da informação

3.171 Técnicos em programação

2.122 Engenheiros em computação

3.172 Técnicos em operação e monitoração de computadores

2.123 Especialistas em informática

Evolução dos profissionais de tecnologia no Brasil

Fonte: RAIS.

Percentual de colaboradores In Core por estado

A especialização dos serviços de tecnologia permite que as empresas sejam capazes de oferecer maior qualidade em seus serviços, fazendo ainda com que essa alternativa seja economicamente mais viável que a admissão de programadores e analistas.

A atuação de profissionais de TI em empresas especializadas em tecnologia ainda é um fenômeno recente no Brasil. Há dez anos, os profissionais In Core somavam 29,4% do total de trabalhadores, enquanto profissionais In House tinham participação de 70,6%. Mas a atuação dos profissionais In Core está se expandindo rapidamente. Entre 2009 e 2018, a participação deles no mercado de tecnologia cresceu 89,2%, a um ritmo de 9,9% ao ano.

Santa Catarina se destaca pela participação dos profissionais em empresas especializadas em tecnologia. Apesar de ocupar o quinto lugar no ranking estadual de número de profissionais, o estado é o único do Brasil que possui mais da metade das ocupações In Core (54,7%). 

Fonte: RAIS.

Além de manter posição de destaque no cenário nacional, a tendência em Santa Catarina é de avançar cada vez mais na especialização das empresas de tecnologia. Na última década, o número de profissionais In Core dobrou no estado, registrando crescimento de 15,7% ao ano. Já os profissionais In House cresceram 67,7% no período, a um ritmo de 7,5% a.a.

A tendência crescente de especialização dos profissionais e das empresas de tecnologia beneficia o ecossistema de inovação do estado que conta, cada vez mais, com profissionais focados em entregas de alto padrão.

Evolução dos profissionais de tecnologia em Santa Catarina

TECH 

REPORT

PANORAMA

SETOR DE

TECNOLOGIA

CATARINENSE

2020 

view.png
 

CONTRATA-SE!

AS VAGAS DE TRABALHO DO SETOR

Entre 2012 e 2019, foram mais de 15 mil novos postos de trabalho gerados no estado. O setor encerrou 2019 com 20,7 mil admissões e 17,2 mil desligamentos, resultando em um saldo positivo de 3.480 trabalhadores.

Com os impactos da pandemia, os quatro primeiros meses de 2020 acumularam um saldo negativo de 49 colaboradores, sendo que o saldo de abril superou a faixa de mil postos de trabalho a menos. 

Evolução do saldo de empregos
do setor de tecnologia catarinense

Fonte: CAGED.

Entre as regiões do estado, a Grande Florianópolis foi a que gerou mais oportunidades de trabalho no último ano. Cerca de 6,5 mil pessoas foram admitidas em 2019, em uma movimentação que gerou 978 vagas. Destaca-se as regiões Norte e Vale do Itajaí, que ultrapassaram a marca de 4,5 mil novas admissões cada uma.

Nos primeiros meses de 2020, a Região Norte é a mais impactada, com saldo negativo de 400 colaboradores. 

Saldo de empregos do setor de tecnologia por mesorregião

Fonte: CAGED.

Das 20,7 mil novas contratações realizadas em 2019, 18,5 mil foram de admissões por reemprego e cerca de 2 mil foram as primeiras admissões da carreira. O salário médio de admissão desses profissionais foi de R$ 2.480, valor 50,9% superior à média estadual dos demais setores, de R$ 1.565.

Saldo por tipo de admissão

Programador de sistemas de informação e analista de desenvolvimento de sistemas são algumas das ocupações mais procuradas no setor, com mais de 3,2 mil admissões. Chama atenção o percentual de profissionais que foram desligados a pedido (43,9%), valor que está acima da média estadual, de 34,6%.

Saldo por tipo de desligamento

TECH REPORT

2020 

PANORAMA SETOR DE

TECNOLOGIA CATARINENSE

Realização

Produção técnica 

Web 

LOGOTUPIX.png
logo_lagoasoft_webapplications.png

/