Mapeamento de vagas do setor de tecnologia

A pesquisa de mapeamento de vagas ouviu 228 empresas e 175 estudantes da área de tecnologia no período de abril a maio de 2021. Os dados foram extrapolados para representar estatisticamente todo o estado. 

 

Além de identificar as principais dificuldades do setor de tecnologia e a estimativa de demanda de colaboradores entre as mesorregiões, a pesquisa questionou sobre os desafios da formação de profissionais para o setor e as funções mais esperadas pelas empresas, destacando também competências, soft skills e linguagens.

 
view.png

Mapeamento de vagas

A busca por colaboradores qualificados é
uma das principais dificuldades do setor
de tecnologia no estado. De acordo com
a pesquisa de mapeamento de vagas
realizada pela ACATE, estima-se que,
em 2021, existam 4.561 vagas no setor,
sendo 2.554 para desenvolvedores.

As regiões de maior demanda destes
colaboradores são a Grande Florianópolis
(40% do total) e a Região Norte
(34%). Atualmente, a região da capital
concentra cerca de 46% do total de
colaboradores, enquanto a região ao
norte do estado possui 17% do quadro.

Apesar da diferença, o cenário de crescimento da Região Norte é reforçado pelo saldo de vagas de trabalho já registrado no setor no primeiro semestre de 2021. Segundo o Caged, enquanto a região da Grande Florianópolis mantém participação de cerca de metade das vagas geradas, a Região Norte aparece na segunda colocação, com um quarto do total dos novos postos de trabalho. Até o momento, o Vale do Itajaí detém 18% deste montante.

Além do Norte, a Serra apresenta um quadro de signifi cativo crescimento para 2022 e 2023. Considerando as vagas mapeadas, esta região deve concentrar cerca de 9% das contratações, um aumento considerável se analisarmos a participação atual de cerca de 4% do total de colaboradores do setor.

Oferta de vagas DEVs em Santa Catarina e regiões

6_1_demanda_devs_mesos_Prancheta 1.png

O número de vagas no setor deve aumentar nos próximos dois anos, em uma média de 5,5 mil vagas de trabalho no setor ao ano. Pouco mais da metade deste montante é direcionado para desenvolvedores. Os DEVs Full-Stack, 
Back-End e Front-End são as funções mais demandadas pelas empresas catarinenses
e representam mais de 50% das funções
indicadas como necessárias pelos negócios.


Nos últimos anos, a média de novas vagas
no setor se manteve entre 3 a 4 mil novos
trabalhadores, com uma redução dessa média
para 2,4 mil em 2020, provavelmente devido
ao impacto inicial da pandemia. Já neste ano
de 2021, o setor acumula um semestre muito
positivo, com mais de 6,3 mil vagas geradas.

Funções mais demandadas pelas empresas

(em %)

6_2_funcoes_demandadas_Prancheta 1.png

TECH 

REPORT

PANORAMA

SETOR DE

TECNOLOGIA

CATARINENSE

2021 

view.png

O QUE AS EMPRESAS ESPERAM DOS PROFISSIONAIS

Para quem deseja somar esforços no setor de
tecnologia catarinense, a pesquisa realizou
um levantamento das principais competências
demandadas. A experiência na área ainda é
um dos fatores mais demandados (25%), mas
chama a atenção a busca por profissionais
que conheçam metodologias ágeis de
execução de tarefas (28%). Habilidades
de execução (24%) e gestão de projetos
também foram lembrados pelas empresas.

Além da parte técnica, a resolução de
problemas (91%), o trabalho em equipe (78%),
a proatividade (68%), a comunicação (59%)
e o raciocínio lógico (58%) foram as cinco
habilidades mais lembradas pelas empresas.

Na percepção dos alunos de tecnologia,
o trabalho em equipe foi considerada a
habilidade mais importante para a profissão
e a segunda mais desenvolvida nos cursos,
atrás apenas do raciocínio lógico. Apesar da
relevância para as empresas, a resolução de
problemas não foi um item lembrado pelos
estudantes como importante e nem como uma
das habilidades desenvolvidas pelos cursos.

Para os desenvolvedores, as linguagens mais
requisitadas são Javascript (31%), Java (18%) e React (17%). Apesar da linguagem Python ser assinalada pelos estudantes como a linguagem de maior domínio (65%), ela é a décima mais demandada pelas empresas (10%).

Outro destaque é o fato de que mais
da metade das empresas (57%) não
possuem exigências de formação
superior para contratação. Cerca de
um quarto exige tal formação e outros
16% requerem formação técnica.

Competências mais demandadas pelas empresas

(em %)

6_3_competencias_demandadas_Prancheta 1.png
 

Dos estudantes, seis a cada dez buscam
entrar no mercado de trabalho, os outros
quatro se dividem entre abrir um negócio e
continuar na carreira acadêmica. Segundo
a pesquisa, a principal atração para se
especializar na área de tecnologia são os
salários. Apesar da média de remuneração
do setor ser de R$ 2,5 mil, de acordo com
a RAIS, as atividades mais ligadas ao core
business do setor possuem remuneração
mais elevada. Entre elas, destacam-se os 
analistas de desenvolvimentos de sistemas, com salários médios de cerca de R$ 5 mil.

A pesquisa também questionou sobre um
dos desafios da formação de profissionais
para o setor: a evasão. Mais da metade
alegou a não identificação com os cursos
e a qualidade do ensino remoto como
causas para abandonar a capacitação.

Soft Skills mais importantes em um profissional de TI (em %)

6_4_soft_skills_Prancheta 1.png

Linguagens de programação mais demandadas (em %)

6_5_linguagens_Prancheta 1.png

Fonte: ACATE