TECH REPORT

2019 

PANORAMA SETOR DE

TECNOLOGIA CATARINENSE

Realização

Produção técnica 

Web 

LOGOTUPIX.png
logo_lagoasoft_webapplications.png

/

A grandeza de um setor disruptivo

O setor de tecnologia catarinense é formado por 11,2 mil empresasque faturam R$ 15,8 bilhões e posicionam o estado como o sexto maior do Brasil no setor. Mesmo em cenário de baixo crescimento, o número de empresas dobrou nos últimos 3 anos, trazendo oportunidades de negócios para as seis mesorregiões do estado.

 

Além da grandeza, o setor catarinense se destaca pela eficiência produtiva, apresentando a maior produtividade do Brasil, com cerca de R$ 100 mil de faturamento por colaborador. Como representante do setor de tecnologia catarinense, a ACATE se apresenta como causa e efeito desse fenômeno, uma vez que ela evoluiu junto ao setor e, ao mesmo tempo, promove ações para que o segmento se desenvolva cada vez mais.

 

Empresas com história

view.png

EMPRESAS COM HISTÓRIA

Empresas do Setor de Tecnologia Catarinense

11.274

6.179

As empresas que formam o setor de tecnologia catarinense iniciaram suas histórias ainda na década de 1960, chegando a quase uma centena de empresas quando foi fundada a ACATE, em 1986.

Em 2014, o número de empresas do setor de tecnologia chegou a 6.179, pouco mais de metade do total de unidades do ano de 2018, quando o setor soma 11.274 empresas

Ainda que em cenário de baixo crescimento econômico nacional, foram fundadas 4.284 novas empresas no setor de tecnologia nos últimos 3 anos. Esta evolução se destaca quando comparada ao surgimento de 4,3 mil empresas durante quatro décadas e meia, desde o ano de 1966 até 2011.

Brasil

As 11 mil empresas catarinenses posicionam o estado como o sexto maior polo de empresas do setor de tecnologia do Brasil, atrás de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e dos demais estados do Sul.

O estado paulista ganha relevância por concentrar mais de 4 a cada 10 empresas do setor, enquanto que o Amazonas se destaca pelo porte de suas empresas, que possuem média de 117 funcionários por empresa, impulsionado pela Zona Franca de Manaus. 

Média de funcionarios

Fonte: Neoway.

TECNOLOGIA CATARINENSE

Segundo dados de 2018, são 11.274 empresas no setor de tecnologia catarinense que estão distribuídas em todas as mesorregiões do estado.

Empresas do Setor por Mesorregião

A Grande Florianópolis é a região com maior número de empresas, com 32% do total. Na sequência aparecem as regiões do Vale do Itajaí, com 27% e Norte, com 20%. Por fim, as regiões do Oeste, Sul e Serra Catarinense aparecem com cerca de 20% do total de empresas.

Entre as cidades de Santa Catarina, destacam-se os polos de Florianópolis (2.438), Joinville (1.473) e Blumenau (1.218), que concentram 5.129 empresas do setor de tecnologia catarinense (45%).

Florianópolis é o que mais se destaca a nível nacional, além de ser a 16ª cidade com maior volume de empresas, possui a segunda maior taxa de empresa por habitante, com 4,9 empresas por mil habitantes, perdendo apenas para São Paulo, com 5,4 empresas por mil habitantes.

Empresas por mil habitantes

Fonte: Neoway.

TECH 

REPORT

PANORAMA

SETOR DE

TECNOLOGIA

CATARINENSE

2019 

 

O Faturamento de uma economia digital

view.png

O FATURAMENTO DE UMA ECONOMIA DIGITAL

O faturamento do setor de Tecnologia do Brasil superou a faixa de R$ 300 bilhões em 2018, valor que corresponde a 4,4% do PIB. Cerca de metade deste total está concentrado no estado de São Paulo (47,5%), enquanto que Santa Catarina se posiciona como a sexta maior economia do setor, com representação de 5% do faturamento do setor de tecnologia do Brasil.

Brasil

Fonte: Neoway.

Qual o tamanho do Setor de Tecnologia brasileiro?

4,4%

do PIB 

1,2x

o PIB de Santa Catarina 

Considerando o faturamento total pelo número de empresas, a média de faturamento das empresas brasileiras se mantém acima de R$ 1 milhão ao ano. Este valor é puxado pelo desempenho do estado do Amazonas, que possui faturamento médio R$ 4,5 milhões para as 2,6 mil empresas que atuam no setor.

Faturamento Médio

EVOLUÇÃO DO FATURAMENTO MÉDIO

Entre os seis maiores polos de tecnologia do Brasil, Santa Catarina se destaca pelo desempenho positivo dos últimos anos. Em termos de faturamento total, foi o único estado que apresentou evolução, enquanto que os números nacionais chegam a 34% de redução. Em parte, estes valores negativos são puxados pela queda do faturamento médio das empresas, que reduziu em 22,6% a nível nacional, enquanto que também influenciam neste indicador a revisão de empresas inaptas ocorrida pela Receita Federal no ano passado*.

Fonte: Neoway.

A ampliação do faturamento do setor de tecnologia catarinense é puxado pela melhora no faturamento médio das empresas, que passou de R$ 1,2 milhões para R$ 1,4 milhões, uma evolução de 11,3%. Estados como Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo também apresentaram melhorias significativas. Em 2015, o estudo do setor de tecnologia contemplava apenas empresas de alto nível de atividade, o que explica os valores de faturamento médio superiores aos demais anos.

Considerando o valor faturado pelo montante de trabalhadores, a produtividade do setor de tecnologia catarinense é a maior dentre as UFs avaliadas. A receita das empresas catarinenses por trabalhador é de quase R$ 100 mil, enquanto que a média nacional não supera a faixa de R$ 72 mil.

Tamanho médio e produtividade

Fonte: Neoway.

EVOLUÇÃO DA PRODUTIVIDADE

O destaque catarinense na produtividade ganha ainda mais relevância ao avaliar a evolução deste indicador no último ano. Enquanto que o faturamento médio por colaborador do Brasil aumentou em apenas 2%, os valores para o estado de Santa Catarina aumentaram em um ritmo de 21%, valores que são inferiores apenas ao estado do Rio de Janeiro, que apresentou número significativo de redução de empresas e do seu faturamento.

Evolução da produtividade nos principais polos de tecnologia do Brasil (em R$ mil)

Fonte: Neoway.

SANTA CATARINA

A participação da tecnologia no PIB estadual é superior à média brasileira, tendo representação de cerca de 5,8% da economia do estado*.

 

Dentre as regiões do estado, o maior percentual está na Grande Florianópolis, que totaliza R$ 6,7 bilhões (42,5%), Vale do Itajaí (21,4%) e Norte Catarinense (20,5%) aparecem na sequência.

Com mais de 5% do faturamento total do setor de tecnologia nacional, Santa Catarina apresenta um faturamento de R$ 15,8 bilhões.

Quanto este faturamento

representa?

5,8%

do PIB de
Santa Catarina

*Considerando o valor do PIB de Santa Catarina de 2016 em reais de 2018.

ACATE promove a produtividade entre os associados!

A representatividade da ACATE continua crescendo, a participação das empresas associadas no faturamento do setor passou para 64% do total, o que representa um ganho de 7 p.p. ante a participação de 57% no ano anterior.

Além disso, a produtividade das empresas associadas também é superior à média do setor. Considerando a faturamento por trabalhador, as associadas apresentam desempenho 54% superior às demais, passando de um valor de R$ 99 mil por trabalhador para R$ 153 mil entre as associadas. Esta melhora se repete para cinco das seis mesorregiões.

Produtividade por mesorregião

(em mil reais)

Polos de eficiência em Tecnologia

Os polos de Tecnologia de Santa Catarina também se destacam pela sua produtividade. Considerando a média de faturamento e de funcionários de cada uma das empresas, os municípios de Florianópolis, Blumenau e Joinville se destacam pela eficiência produtiva.

Na capital do estado, cada trabalhador agrega cerca de R$ 114 mil às receitas da empresa, enquanto que Blumenau e Joinville se aproximam de R$ 100 mil por trabalhador. Nas capitais paulista e carioca, que possuem o maior volume de faturamento, o nível de faturamento por trabalhador é de R$ 76 mil e R$ 93 mil, respectivamente.

Produtividade nos municípios polos de tecnologia (em mil reais)